terça-feira, 7 de agosto de 2007

PERICLITANTE

E eu serei a última a crescer
pra minha mãe não perceber
das primaveras que foram
Quantas! só o branco cresceu
nos cabelos dela e agora no meu.
Sou ainda a que chora
por ter menstruado.
Essa que guarda a timidez no olhar
um singelo sorriso pra agradar
correndo para o mundo não triturar meus sonhos
Eu não cresci não
minha avó não deixou
impediu-me de atravessar na frente dos carros.
sozinha,
sentada,
quietinha,
escondendo -me dos amigos
os poucos que tive.
sai da frente!
eu corro perigo.
periclitante!
Eu sou o perigo.
perigo!

5 comentários:

Lean Dieu Valent disse...

periclitante.. deixa eu te segurar..

Solo Kestera disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rômulo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rômulo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rômulo disse...

bom..pelo menos tentei...se você não quer minha amizade..enfim..paz pra você. Só peço que não guarde tanta mágoa assim..já deixei tudo no passado.

fui